Um minuto de silêncio.

Quando estava na faculdade, provavelmente num dia sem muito o que fazer, resolvi que tinha que fazer meu testamento. Sim, com uns 20 anos de idade, vivendo num lugar tranquilo, sem nenhum problema de saúde que desse razão a isso, resolvi que precisava deixar por escrito o destino dos meus (poucos) pertences e as instruções pro meu funeral. Você deve estar achando que sou doido, e talvez essa seja a resposta mesmo. Eu tenho um pessimismo “Murphyano” secreto onde sempre acho que as coisas tem enormes chances de darem errado, e como quase todo mês eu pegava estrada pra voltar pra minha cidade dividindo pistas simples com caminhões carregados de cana, julgava ter grandes chances de sair feito garapa de alguma dessas viagens.

Meu testamento era uma coisa bem besta, como se pode imaginar. Eu descrevia detalhes de como queria meu funeral e pra quem deveriam ser doados minha câmera, meu computador, minha cama, meu quimono de Aikido, minha bateria e essas coisas. Eu também insistia que tivesse bexigas ao invés de flores e de que iria deixar umas piadas ruins anotadas, daí qualquer pessoa que quisesse ir lá na frente falar algo sobre mim, teria que contar uma dessas piadas antes. É besta? É. Mas ia ser legal, assuma.

No meio desse monte de bobagens eu ainda acho que algumas coisas devem ser levadas em conta, como não vestir meu corpo com a camisa do São Paulo e, se for permitido, pra me enrolar num lençol do Corinthians ao invés de usar caixão: já que é pra apodrecer, vamos fazer direito. Mas fora essas coisas com sentido, ao mesmo tempo me deparei com o quanto eu não respeitava a morte e a dor naquele momento. Queria que não tivesse choro e dizia que “luto é uma coisa besta”. Ninguém tão próximo de mim havia morrido, e o único velório que havia ido era o do meu avô, com 4 anos. Só lembro que queria ir embora porque tinha certeza de que ele iria se levantar do caixão e chupar o sangue de todo mundo ali presente. O tempo passou e eu ainda não havia entendido muita coisa sobre a morte.

Hoje entendo que acima de tudo nessas horas é preciso de um pouco de silêncio.

Quando a tragédia bateu na porta de casa levando meu pai, não faltou gente tentando me acalmar dizendo que estava lá por mim, de que tudo iria dar certo e de que a vida é uma bosta mas eu iria superar. Aceitei e agradeci a todos pelo apoio, mas diante da minha expressão catatônica todos remendavam dizendo o óbvio: “não tenho o que falar…”.

Aprendi que existem momentos em que não temos mesmo o que falar, e nesses momentos a melhor opção é nem comentar sobre isso. As pessoas que mais me consolaram naquele dia foram as que simplesmente chegaram e me abraçaram sem falar nada. Chorar com os que choram é o suficiente. Me lembro desses abraços e o silêncio deles fala comigo até hoje.

Hoje acordei cedo e, enrolando pra levantar olhei no celular e vi uma manchete dizendo que o avião que levava o surpreendente time da Chapecoense e uma ótima equipe de jornalistas pra final da Copa Sulamericana caíra na Colômbia matando quase todos os passageiros. Me levantei assustado pra tomar banho e ouvia na sala o pessoal de casa comentando enquanto o repórter da TV dava detalhes da tragédia. No trabalho, os colegas e clientes falavam sobre isso o dia todo. Na rua, todo mundo era expert em aviação. Na Internet, todas as linhas de todos os sites mostrando mostrando todos os ângulos do horror em tempo real. Quase se podia literalmente tocar no assunto, de tão denso e tenso que ele habitou o dia.

Talvez nós precisamos de um pouco de silêncio.

Precisamos de silêncio para digerir toda essa informação. Precisamos de silêncio pra aceitar toda essa nova realidade. Precisamos de silêncio para nos lembrar dos que se foram. Precisamos de silêncio para valorizar os que ficaram. Precisamos de silêncio para perceber que a tempestade já se foi, mas também para perceber que ninguém é imune às próximas que virão. Precisamos de silêncio para perceber que há esperança além da dor.

Precisamos de silêncio para aprender que é preciso viver a vida, mas que isso passa por aprender a respeitar a morte.

Portanto, façamos hoje um minuto de silêncio por cada atleta que morreu. Façamos um minuto de silêncio por cada funcionário do clube, por cada jornalista, por cada tripulante do avião. Mas não façamos apenas por estes.

Façamos um minuto de silêncio porque nenhum homem é uma ilha, e a morte de qualquer pessoa nos diminui por sermos parte da humanidade. O silêncio também é por nós.

Que no gramado da morte esse minuto de silêncio faça ecoar a esperança de uma vida sem dor e tristeza por toda a eternidade.

Anúncios

4 comentários sobre “Um minuto de silêncio.

  1. Please, mai frende… Era uma bênção para a humanidade (embora ela talvez não percebesse) se o caríssimo Thales Rios escrevesse com quantidade, tanto quanto dá o prazer da leitura com sentido em qualidade. Obrigado.

    • hahaha fênquiu, gud frende!
      Tô tentando retomar uma rotina mais frenquente, mas essa vida cigana me impede de escrever o tanto quanto quero. =/
      De qualquer maneira, obrigado pelas palavras gentis. Deus abençoe aí!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s